O dólar opera em alta nesta quinta-feira (27), atingindo pela primeira vez a cotação de R$ 4,47 e subindo pela sétima sessão consecutiva, em meio a temores sobre a expansão do coronavírus e impactos na economia global.

Às 10h26, a moeda dos EUA era negociada a R$ 4,4735 com alta de 0,74%. Na máxima até o momento, chegou a R$ 4,4775.

Já o Ibovespa opera em queda de mais de 2%, após tombo de 7% na sessão anterior.

Na véspera, o dólar fechou em alta de 1,10%, a R$ 4,4407, renovando recorde de fechamento nominal (sem considerar a inflação), em meio ao avanço da epidemia de coronavírus pelo mundo e com a confirmação do primeiro caso no Brasil. Na máxima da sessão, chegou a R$ 4,4475, até então a maior cotação nominal intradia já registrada no país. No mês, o dólar acumulou alta de 3,63%. Em 2020, já subiu 10,75%.

Em uma tentativa de limitar a disparada do dólar — que já sobe pela sétima sessão consecutiva e acumula alta de mais de 10% este ano — o Banco Central realizou neste pregão leilão extraordinário de até 20 mil swaps tradicionais com vencimento em agosto, outubro e dezembro de 2020, conforme anunciado na quarta-feira, em que vendeu todos os contratos ofertados, destaca a Reuters.