O famoso locutor de rodeios Asa Branca morreu nesta terça-feira (4), no Instituto do Câncer, em São Paulo, em decorrência de um câncer na mandíbula que ele tratava desde 2017. Ele tinha 57 anos e era portador do vírus HIV.

A esposa do locutor já havia dado depoimentos informando que os médicos definiram a a situação de Asa Branca como grave e irreversível. Em entrevista, ela disse que o marido estava “indo embora”.

No perfil de Asa Branca no Instagram, foi anunciada sua morte em uma publicação.

Ver essa foto no Instagram

@sandra_asa_branca @haroldo1914

Uma publicação compartilhada por Ruy Asa Branca (@asabrancaoficial) em

Nascido Waldemar Ruy dos Santos em 19 de abril de 1962, no interior de São Paulo, Asa Branca começou a carreira nos rodeiros como peão de boiadeiro, montando touros em exibições. Durante uma apresentação, teve o pulmão perfurado por um touro e abandonou a carreira de caubói.

Conhecido por revolucionar a locução de rodeios, Asa Branca passou a ser um ícone no meio ao narrar de forma inédita as apresentações usando um microfone sem fio. O locutor se utilizava da voz potente para jogar com versos e jargões.

Ele se tornou milionário e, no auge de sua popularidade, nos anos 1990, era uma celebridade. Fez participações em novelas da Globo, como Mulheres de Areia (1993) e O Rei do Gado (1996), e namorou atrizes famosas como Alexia Dechamps e Isadora Ribeiro.

Nos últimos anos de sua vida, ele surpreendeu ao se declarar arrependido de sua carreira pregressa e ao abrir fogo contra o circuito de atividades no qual se consagrou. Convertido à causa da libertação animal, Asa Branca declarou que muitas vezes viu touros e bois serem maltratados durante a preparação dos rodeios. Ele chegou a associar o câncer com um castigo pelo que havia visto e feito com os animais na indústria dos rodeios.

Asa Branca chega de helicóptero na abertura da Agro Purus 2013, em Sena Madureira (AC) – Foto: Reprodução/YouTube

(Gaúcha ZH)