Vários veículos foram apreendidos durante a operação (Foto: Ascom PRF)

A Polícia Rodoviária Federal (PRF) realizou, entre os dias 6 e 25 de janeiro, a Operação Lábaro 2020 (Área Echo), com objetivo de combater a criminalidade na capital acreana, nas divisas do Acre com demais estados do Brasil e na fronteira com a Bolívia e o Peru.

Ao menos 38 pessoas foram presas na operação que contou com o reforço dos policiais rodoviários federais recém-empossados e integração com demais órgãos e forças de segurança pública que atuam no estado.

Segundo a assessoria de comunicação da PRF, durante a operação foram fiscalizados 7.410 veículos; 7.457 pessoas foram abordadas; 1.424 testes de alcoolemia foram realizados (sendo 20 pessoas autuadas por embriaguez).

A PRF também realizou diversas apreensões. Os resultados são: crimes ambientais: 4; arma branca: 1 unidade; pistola: 1 unidade; eletrônicos: 215 itens; pneus: 20 unidades; diversos: 204 unidades; cigarros: 1.857 pacotes; maconha: 55 gramas; veículos recuperados: 6 (entre motos, carros e caminhonetes) e presos/detidos: 38 pessoas.

Segundo a PRF, a ação, considerada estratégica, foi incluída dentre as medidas prioritárias do Ministério da Justiça e Segurança Pública e contou com apoio do Ministério Público do Estado do Acre (MPAC), Receita Federal, Exército Brasileiro e polícias Federal, Civil e Militar.

Deslize para o lado e veja as fotos da operação: (Fotos: Ascom PRF)

Slider image
Slider image
Slider image
Slider image
Slider image
Slider image
Slider image
Slider image

Veículo recuperado

Durante a operação, a PRF deu ordem de parada para uma caminhonete, com um casal dentro, na BR-364, no km 10, no Posto Tucandeiras, em Acrelândia (AC), porém, o condutor desobedeceu e evadiu-se do local.

Os policiais iniciaram um acompanhamento tático, e, alguns quilômetros à frente, os ocupantes abandonaram a caminhonete com as chaves no contato e entraram à mata densa. Apesar de buscas no local, os policiais não localizaram os evadidos, mas conseguiram levar a caminhonete que estava sem registro de roubo/furto.

Mais tarde, em contato com o Centro Integrado de Operações em Segurança Pública (CIOSP), da Polícia Militar, através do Centro de Comando e Controle Regional (C3R) da PRF, os policiais confirmaram que o dono da caminhonete tinha sido sequestrado e torturado para não registrar a ocorrência, enquanto os sequestradores tentavam fugir do estado do Acre com o veículo.

Quando ele foi libertado do cativeiro, para fazer o registro na Polícia Civil, descobriu que seu veículo já havia sido recuperado pela PRF e agradeceu a ação dos agentes.