O número de casos de dengue registrados em 2019 em Cruzeiro do Sul representam 33,75% de todo estado. No Acre foram registrados 8 mil casos, enquanto no município foram 2700. No mesmo ano aconteceram 04 mortes no estado e 02 em Cruzeiro do Sul, em razão da doença. Neste ano, já foram contabilizados mais de 409 casos positivos.

Os números de pacientes com sinais de alerta tem aumentado. Os sintomas normais são febre, e dor no corpo, mas quando passa para dor abdominal contínua pode evoluir para sangramento e vômitos.

A orientação é que esses pacientes procurem de imediato os hospitais, que tem mais recursos para o tratamento do que os postos de saúde. Normalmente a dengue grave acomete crianças e idosos, pois tem o organismo mais frágil, devido ter tido outras doenças.

“Normalmente os idosos ou crianças não são levados para receber o atendimento no momento certo. Essas pessoas normalmente já tem outra comorbidade, como diabetes, hipertensão, doença cardíaca, e a dengue é uma doença oportunista. Em 2014 tivemos uma epidemia, onde circularam dis sorotipos. São quatro sorotipos, a pessoa que pega fica imune para aquele tipo”, explicou o coordenador de vigilância epidemiológica Nicolau Abdalah.

O coordenador pede a colaboração da população, e explica que o poder publico está fazendo sua parte. “Nós continuamos seguindo a tendência de dezembro. Temos uma redução muito tímida. Esperamos que o inseticida chegue para amenizar a situação, pois o problema não é apenas em Cruzeiro do Sul, mas em todo Brasil”, enfatizou o coordenador.

(Juruá Online)