Por O Antagonista

Em 2019, o senador Sérgio Petecão, do PSD do Acre, torrou 376,2 mil reais da cota parlamentar — aquela dinheirama que congressistas têm à disposição para gastar com quase tudo o que você conseguir imaginar.

Desse montante, 73,8 mil reais foram referentes a despesas com combustíveis, ou seja, uma média de 202,1 reais por dia: é praticamente como se todo santo dia o senador enchesse um tanque.

Petecão apresentou para ressarcimento 9 notas ficais com os seguintes valores: R$ 8.210 (janeiro), R$ 8.400 (março), R$ 8.020 (abril), R$ 8.700 (maio), R$ 8.700 (julho), R$ 8.300 (agosto), R$ 7.900 (setembro), R$ 7.500 (outubro) e R$ 8.150 (dezembro).

Ainda no ano passado, pedimos uma explicação ao senador sobre essa contabilidade bancada com dinheiro público.

Ele respondeu assim:

“Essas notas são referentes ao consumo do mês, ao gasto de combustível aqui no estado. Aí eu compro durante o mês e, no final do mês, o cara me tira uma nota do que eu consumi. Eu tenho vários carros, uma caminhonete, tenho vários carros, uma van… São os carros que me dão apoio aqui no estado, no meu gabinete. Em Brasília, eu não gasto p*rr* nenhuma.”

Os abastecimentos são sempre feitos em dois postos, em Rio Branco. Um deles é de uma família política no estado, que durante muitos anos ajudou candidatos aliados nas campanhas.

Vale lembrar que, em tese, os senadores passam a maior parte do mês em Brasília, onde têm carro oficial.