Evo Morales anunciou na tarde deste domingo (10) a sua renúncia à Presidência da República da Bolívia. O pronunciamento foi transmitido por canais de televisão no país. O vice-presidente, Álvaro García Linera, também apresentou a renúncia.

“Renuncio a meu cargo de presidente para que [Carlos] Mesa e [Luis Fernando] Camacho não continuem perseguindo dirigentes sociais. Quero dizer que a luta não termina aqui, continuaremos com essa luta por igualdade e paz”, disse Morales.

Antes do pronunciamento, o presidente boliviano concordou em realizar nova eleição presidencial depois que uma auditoria destacou que o pleito deveria ser anulado, com a pressão de grupos de oposição crescendo para a renúncia do líder esquerdista.

A Organização dos Estados Americanos (OEA), que conduziu uma auditoria acerca das eleições de 20 de outubro, divulgou relatório neste domingo em que apontou sérias irregularidades na votação vencida por Morales, que provocou protestos generalizados em todo o país.

Durante esses protestos, manifestantes chegaram até a fechar as fronteiras entre o Acre e a Bolívia.