Motorista de aplicativo foi morto em agosto deste ano (Foto: Arquivo Pessoal)

Investigadores da Delegacia de Combate a Roubos e Extorsões (DCORE) da Polícia Civil desvendaram a morte do motorista de aplicativo (Uber) Alberto da Silva Souza, de 29 anos, morto após atender um chamado para uma corrida no último dia 2 de agosto, em Rio Branco. Pelo menos três pessoas envolvidas no crime foram presas.

No inquérito, que está em fase de conclusão, os partícipes, dois menores e um maior identificado como Thaylan Felipe de Lara Ferreira, 18 anos, mais conhecido pelo apelido de “Boy”, relataram que a vítima foi escolhida de forma aleatória na ocasião da realização da Expoacre.

“Foi relatado e consta tudo em depoimento que os menores foram até a casa de Thaylan Ferreira, no dia do crime, e pediram R$ 20,00 emprestado para seguirem de ônibus até o Parque de Exposições, que lá iriam ‘ganhar’ um carro. A vítima foi escolhida de forma aleatória. Durante o trajeto os acusados informaram que iriam até um posto de combustíveis no bairro Jorge Lavocat, onde encontrariam Thaylan ‘Boy’. Apenas um dos menores estava armado”, comentou o delegado Cleber Gnata.

Ainda em depoimento, os acusados afirmaram que decidiram matar a vítima depois que este afirmou que era morador do bairro que os conhecia.

Thaylan foi preso (Foto: Divulgação/Polícia civil)

“Após encontrar com o Thaylan, o trio anunciou o assalto, diante da argumentação da vítima de que os conhecia e que também era morador do bairro, numa tentativa de persuadir e fazer com que os acusados desistissem do roubo, eles os levaram ao local do crime e o executaram, usando o carro para fugir. Um deles disse ainda que Alberto Silva afirmou que o carro teria rastreador”, disse um dos policiais que participa da investigação.

Alberto da Silva Souza foi achado morto com as mãos e pés amarrados e sem roupas, no sábado, 3, um dia após seu desaparecimento, no quilômetro 12 do Ramal do Mutum, em Rio Branco.

Regulamentação da categoria

Em decorrência da morte de Alberto da Silva Souza, o secretário de Justiça e Segurança Pública, Paulo Cézar dos Santos recebeu uma comissão formada por motorista de aplicativo que reivindicavam mais segurança para a categoria. O primeiro encontro aconteceu no dia 7 de agosto onde foi proposta a criação de uma cooperação técnica onde se estabeleceria algumas medidas preventivas e repressivas.

No dia 13 de agosto, o secretário Paulo Cézar apresentou o plano de ações aos motoristas para prevenção de crimes contra a categoria, objetivando prevenir e combater delitos praticados contra os motoristas de aplicativos. Entre as medidas apresentadas no documento destacava-se o cadastramento dos motoristas de aplicativos na Sejusp, como também, aos profissionais cadastrados um treinamento de prevenção aos crimes contra a categoria, bem como medidas para resguardar a vida dos usuários do serviço de aplicativo.

Na oportunidade o secretário de Segurança afirmou que as medidas oportunizariam mais segurança os motoristas, destacando que cada um dos envolvidos teriam que cumprir com os termos acordados.

“Como havíamos sugerido na primeira reunião com a categoria, eles passarão por um treinamento e será feito um cadastro de cada um deles aqui pela Sejusp. É um conjunto de medidas que adotaremos não só com os motoristas de aplicativos, mas com os usuários do serviço, prefeitura e vários órgãos empenhados em aperfeiçoar e melhorar as condições de trabalho desse tipo de transporte”, disse o secretário à época.

Mas, com pouco mais de um mês nenhum motorista de aplicativo ou representante da categoria procurou a Sejusp para iniciar os cadastros.

“Foi apresentado e detalhado aos motorista de aplicativo um Plano de Ações com algumas medidas a serem adotadas, a Sejusp vem fazendo a sua parte, mas infelizmente os motoristas não estão contribuindo para que essas medidas sejam efetivadas. No caso da morte desse motorista a Polícia Civil está dando a sua resposta, o inquérito está em fase de conclusão e o caso será encaminhado a Justiça”, declarou o secretário.

(Ascom Sejusp)