O corpo do mototaxista Pablo Costa Progênio, de 35 anos, chegou em Epitaciolândia, no interior do Acre, por volta das 23h desta sexta-feira (19). Progênio foi encontrado morto três dias depois de desaparecer enquanto trabalhava.

O velório aconteceu na residência onde o homem morava, na Rua Maria Mendes de Araújo, no Bairro José Hassen. Diversos familiares, amigos e conhecidos do homem participaram do momento. O ato foi marcado por muita tristeza e comoção.

Segundo a família, o exame cadavérico realizado no Instituto Médico Legal (IML) de Rio Branco constatou que Progênio foi executado por sete disparos, sendo três tiros na cabeça, dois no peito e mais dois nas costas.

O sepultamento foi realizado na manhã deste sábado (20), no Cemitério Municipal de Epitaciolândia. Progênio deixou quatro filhos e a esposa Irinês, 40 anos.

Entenda o caso

O mototaxista Pablo havia realizado uma corrida no domingo (14), partindo da “tranca” entre o Brasil/Bolívia, às 10h, mas não retornou mais para casa, deixando os parentes e amigos preocupados.

Na quarta (17), o delegado de Polícia Civil Rêmulo Diniz, assumiu interinamente as delegacias de Brasileia e Epitaciolândia, e se deparou com uma situação de comoção pública, na qual o mototaxista, que era um boliviano que reside e tem família no Brasil, estava desaparecido.

A partir daí foram iniciadas as investigações e com menos de 24 horas de atuação naquela regional, o delegado contou com o apoio da Polícia Militar, que conseguiu localizar por volta das 20h de quarta o corpo do homem desaparecido, em uma chácara no quilômetro 16 da BR-317.

“Nós iniciamos as investigações, ouvimos quatro depoimentos, além de recolher imagens de vídeo monitoramento pela cidade. Após localizar e confirmar que o corpo seria do mototaxista, já realizamos as primeiras buscas pelo local, colhemos informações de testemunhas e, na manhã desta quinta-feira, 18, conseguimos identificar o acusado pelo latrocínio, bem como recuperar a motocicleta roubada e a arma utilizada” explicou.

Ainda de acordo com Rêmulo Diniz, o acusado foi conduzido à delegacia, onde passou por interrogatório e representações judiciais. O delegado agradeceu o empenho e auxílio dos agentes de polícia e escrivão da cidade e de toda Polícia Militar e Corpo de Bombeiros, que foram essenciais para elucidação desse crime em tempo consideravelmente rápido.