Foi deflagrada nesta quarta (10), pela Controladoria-Geral da União, Polícia Federal e Procuradoria, a Operação Mão Dupla, para desarticular uma organização criminosa que estaria instalada no Departamento Nacional de Infraestrutura e Transporte de Rondônia (DNIT/RO).

De com a CGU, o esquema envolve uma empresa e consórcio que executavam serviços de pavimentação. Os pagamentos referentes às despesas de obras eram autorizados pelo DNIT, sem ajustes ou correções de medições.

Há indícios de facilitação de servidores públicos na aprovação das medições apresentadas pela empresa investigada e detectados serviços prestados com qualidade inferior à contratada, e pagamento por serviços não executados.

Durante a operação, foram presos servidores do DNIT, funcionários e engenheiros da empresa investigada. No Acre, dois mandados de prisão temporária foram cumpridos em Brasileia, no interior do estado.

Além dos mandados, foi pedido o bloqueio de R$ 10 milhões que seriam liberados irregularmente em favor da empresa. Segundo a PF, os crimes apurados na operação são de peculato, corrupção ativa e passiva e formação de organização criminosa.

A CGU também informou que a empresa investigada possui, atualmente, R$ 2,7 bilhões em contratos firmados em Rondônia, Acre, Pará e outros estados.