Hoje pela manhã (11), como informou o blog Evandro Cordeiro, um grupo de lideranças do Partido Social Liberal (PSL), que tentou convocar uma reunião extraordinária para deliberar sobre possível apoio ao governo Gladson Cameli (Progressistas), teve que se contentar em escrever uma carta para o diretório nacional pedindo ajuda.

Segundo Valdir Perazzo, Fernando Lage, Paulo Pedraza, Francisco Roque, Francisco Silva Lima e Tião Bocalom, a carta pede “para interceder nessa importante questão, no sentido de autorizarem os subscritores a realizarem a referida reunião extraordinária para deliberarem se integram ou não a base de sustentação do Governo Gladson Cameli, deixando claro que nada exigem em troca para contribuir com a governabilidade do Governo Estadual”.

Gladson Cameli, então decidiu, através de mediação realizada pelo vice-governador Major Rocha, convidar o Coronel Ulysses, líder do PSL no Acre, para estudar a possibilidade do Partido compor a base de governo.

Após uma longa conversa, ficou acertado uma reunião, entre o governador e a diretoria executiva do PSL, para a formalização do convite e posterior deliberação junto ao Diretório Executivo do partido.

Coronel Ulysses fez questão de salientar que o PSL está disposto a ajudar no crescimento e desenvolvimento do estado, todavia, a referida ajuda será feita em prol do benefício da sociedade e com base em princípios éticos, morais e sem fisiologismo, troca de cargos, secretarias ou benefício individual ou de grupos isolados.

O presidente do PSL, Pedro Valério, foi informado de todo o teor da reunião durante um ao vivo do PSL, no Facebook, que ocorre todas as quintas, e estavam presentes nessa live com mais de 3 mil visualizações ao vivo, membros da executiva, representantes do PSL Mulher, PSL jovem e ICA.

Valério esclareceu que o PSL não está à venda para negociações em troca de cargos, e que a ida do partido para a base do governo, até então, não havia sido cogitada pela falta de aceno e convite do governador. Uma vez feito o convite formal, e após a referida reunião com o governador será feita uma discussão com os filiados para o conhecimento e posicionamento a respeito do assunto, tudo de maneira transparente e democrática.

Caso o governador fizesse o convite teria que estar formulado uma proposta em caráter programático e jamais de forma fisiológica em troca de cargos”, destacou o tesoureiro do PSL, Lauro Fontes, apoiado pelos representantes do PSL Mulher, PSL jovem, ICA.

A reunião não tem data confirmada, mas poderá acontecer nos próximos dias.