O presidente Jair Bolsonaro tem uma relação de proximidade com o WhatsApp que ultrapassou até pedidos expressos da Agência Brasileira de Inteligência (Abin): Bolsonaro usa o aplicativo como meio de comunicação entre seus ministros, autoridades, governadores e qualquer tipo de comunicação presidencial.

A Abin não acredita que essa seja a saída mais segura como forma de comunicação.
Existem diversos métodos que permitem a leitura de mensagens de terceiros por meios criminosos

Para proteger o presidente e seu governo, a Abin disponibiliza um celular conhecido como Terminal de Comunicação Segura (TCS), um dispositivo criptografado que deve ser utilizado por autoridades para tratar de assuntos de interesse público, segundo a Folha de SP.

Contudo, Bolsonaro ignora a existência do TCS e utiliza um smartphone comum, com todas suas falhas e vulnerabilidades, para trocar mensagens, artigos e notícias entre autoridades.

A escolha de Bolsonaro é simples: o TCS não permite a instalação do WhatsApp, que é um aplicativo fácil de usar. O TCS também não libera a instalação do Twitter, rede social que se tornou canal de comunicação oficial do governo federal.

Ainda, impede a instalação do Instagram, outro canal de comunicação do presidente, que conta com mais de 10 milhões de seguidores. Mas por que ele não permite a instalação? Porque se trata de um dispositivo seguro: aplicativos possuem falhas e, hora ou outra, a segurança do presidente pode ser afetada por vulnerabilidade — antiga ou nova — descoberta e explorada.

Você lendo essa matéria agora. / Foto: Reprodução

Segundo a Folha, o uso do WhatsApp “é visto com reserva por integrantes do setor de inteligência do Palácio do Planalto”, cujos integrantes acreditam que o aplicativo não seja seguro o suficiente para garantir o sigilo das mensagens trocadas.

O dispositivo oferecido pela Abin possui um app de conversas parecido com o WhatsApp. É preciso notar o seguinte: o WhatsApp possui criptografia de ponta a ponta e, sim, as mensagens seguem seguras por lá. Contudo, existem vários métodos que permitem a leitura de mensagens de terceiros por meios criminosos.

Por exemplo, estamos falando de ações que vão desde a clonagem de chips até a infecção por arquivo malicioso no smartphone Android usado por Bolsonaro — e, como o presidente gosta de compartilhar links pelo celular, isso não é algo extremo de ser atingido por um cibercriminoso.

Sobre o caso, o porta-voz do governo, Otávio Santana do Rêgo Barros, disse que Bolsonaro “utiliza para o envio de mensagens informais. Em relação aos assuntos que exigem reserva, ele opta pelos meios de comunicação da Presidência da República”.

O celular da Abin

O dispositivo oferecido pela Agência de Inteligência possui um aplicativo de conversas parecido com o WhatsApp. Possui chave de criptografia e servidor, tudo administrado pela própria Abin. Contudo, ele não é tão prático quanto o aplicativo de mensagens mais usado no Brasil — por isso a resistência de Bolsonaro.

Sobre presidentes anteriores, sabe-se que Dilma Rousseff recorria aos aparelhos de assessores pessoais e só comprou um smartphone poucos meses antes de ser tirada da presidência. Michel Temer, que chegou logo em seguida, raramente respondia mensagens e preferia o contato via telefone.

Além do celular criptografado, a Abin oferece como meios seguros de comunicação um email (também criptografado) e um telefone fixo com sistema de segurança.

Tecmundo

DEIXE UMA RESPOSTA

Please enter your comment!
Please enter your name here